Poty Lazzarotto

O visitante que chega a Curitiba pela primeira vez sempre observa com muita atenção os painéis espalhados pela Cidade. Seja atrás da Praça Tiradentes, no Palácio Iguaçu, na Torre Panorâmica, no Teatro Guaíra ou na Praça do Homem Nu. Alguns são de cimento, outros de ladrilhos, mas todos com o mesmo traço e estilo comum. São as obras de Poty Lazzarotto, que ornamentam diversos espaços públicos de Curitiba.

Gravador, ilustrador, muralista, professor de Artes… enfim, um artista múltiplo, Napoleon Potyguara Lazzarotto nasceu em Curitiba, no aniversário da Cidade – em 29 de março de 1924. Filho de imigrantes italianos, desde cedo mostrava sua vocação para o desenho.

Seu pai, Isaac Lazzarotto, era ferroviário. Sua mãe, Júlia Tortato Lazzarotto, mantinha um restaurante montado em frente à sua casa – o Vagão do Armistício – que era frequentado por muitas personalidades da época. Dentre os clientes, estava Manoel Ribas, o interventor federal no Paraná nomeado pelo então presidente Getúlio Vargas. Ribas foi o responsável por oferecer a Poty uma bolsa de estudos na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, em 1942.

Dali, Poty não parou mais. Passou a ser ilustrador de livros, jornais e revistas. Em 1946, ganhou outra bolsa de estudos, desta vez do governo francês. Estudou por dois anos em Paris, onde aprendeu litografia. Ao longo de sua carreira, Poty utilizou diversas técnicas de gravura e ilustração em seus trabalhos. Os livros ilustrados por Poty incluem Iracema, de José de Alencar; Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa; Capitães da Areia, de Jorge Amado; O Quinze, de Rachel de Queiroz, Moby Dick, de Herman Melville; além de várias obras de Machado de Assis e do curitibano Dalton Trevisan.

Os murais são outra faceta importante do trabalho de Poty. Além de Curitiba, eles podem ser encontrados no Aeroporto Afonso Pena em São José dos Pinhais, na cidade da Lapa, na Região Metropolitana (seu Monumento ao Tropeiro é o portal de entrada da cidade) e em outros locais do Brasil e do exterior. Poty Lazzarotto morreu em Curitiba, no dia oito de maio de 1998. Um painel inacabado deixado por Poty foi terminado posteriormente e encontra-se hoje na sede do Simepar.

Dentre as homenagens a Poty Lazzarotto na Cidade de Curitiba, destacam-se o Auditório Poty Lazzarotto, no Museu Oscar Niemeyer; o Largo Isaac Lazzarotto, no Cristo Rei (que possui uma obra de Poty dedicada ao pai, intitulada Homenagem aos Guarda-Freios); e o Jardim Poty Lazzarotto no Parque Tanguá.

Retratamos abaixo os principais murais de Poty Lazzarotto em Curitiba. Os links levam para outras imagens, quando indicado. Para mais informações biográficas, consulte a Wikipédia.

Poty Lazzarotto 01 Poty Lazzarotto 02
Teatro Guaíra
Praça Santos Andrade
Palácio Iguaçu
Praça Nossa Senhora de Salete
Poty Lazzarotto 03 Poty Lazzarotto 04
Mercado Municipal Rua XV de Novembro
Poty Lazzarotto 05 Poty Lazzarotto 06
Largo Isaac Lazzarotto Sanepar – Praça das Nações
Poty Lazzarotto 07 Poty Lazzarotto 08
Edifício da Oi (antiga Telepar)
Av. Manoel Ribas – São Francisco
Travessa Nestor de Castro
Veja mais fotos
Poty Lazzarotto 09 Poty Lazzarotto 10
Praça 19 de Dezembro
Veja mais fotos
Torre Panorâmica
Veja mais fotos
Poty Lazzarotto 11 Poty Lazzarotto 12
Praça 29 de Março
Veja mais fotos
FIEP (Av. das Torres)
Veja mais fotos
Poty Lazzarotto 13 Poty Lazzarotto 14
Assembleia Legislativa
Veja mais fotos
Aeroporto Afonso Pena
Veja mais fotos